Wednesday, November 26, 2008

Sou é crente

Tem gente que me pergunta se eu sou crente.
Sim, eu sou.

Acredito na vida, nas pessoas e na capacidade absurda que cada um leva dentro de si. Acredito que as palavras desgraçadas, se não filtradas, causam maldições.
Acredito nas palavras boas e nas suas transformações.
Acredito que você pode amar o seu trabalho, mesmo quando todo mundo pensa o contrário.
Acredito no amor, por mais clichê, bobo e infantil que isso possa parecer.
Acredito quando alguém diz ter encontrado o homem ou a mulher da sua vida.
Acredito que, com um pouco de esforço, as pessoas conseguem ser menos preconceituosas.
Acredito no respeito mútuo.
Acredito na mistura.
Acredito no olhar.
Acredito no abraço e na energia trocada.
Acredito na oportunidade dada.
Acredito que nada acontece por acaso.
Acredito que a criatividade está diretamente ligada a liberdade e que o medo é a porta de aço sem manual de instrução.
Acredito numa vida mais leve.
Acredito na confiança.
Acredito no riso incontrolável.
Acredito que acreditar muito pode te deixar ignorante.
Acredito que a mente é nosso escudo ou pode ser a arma da nossa própria morte.
Acredito que as pessoas se fecham porque se sentem ameaçadas.
Acredito que elas se abrem pois se sentem confiantes.
E acredito que, para acreditar em tudo isso, existe um longo caminho de amadurecimento.

E quando perguntam se eu sou crente...Digo: todos somos. Até os que não acreditam em nada são crentes.
a vida é essa coisa toda meio torta. o jeito é acreditar que pisar na merda dá sorte.

angústia

De repente socou o peito. Como um tiro. Um grito. Um estrondo do vidro estilhaçado. Corta os nervos, um a um. A dor é tanta que já nem sente. Continua.

Tuesday, November 25, 2008

tudo registrado

Formalização do sentimento. Se é que sentimento tem forma concreta. Um papel, uma caneta, uma assinatura. O mais importante é a burocracia. Casamento, nascimento, diploma. Rituais.
O homem se faz de sentimentos, não de papel. Se nada existisse? Se os cartórios fechassem? Se a papelada fosse queimada? O sentimento não diria adeus.
Deixemos a formalidade de lado. O registro não registra. O sentimento não precisa de prova palpável. Sentimento é abstrato, mistura, cheiro, gosto, sem forma definida. Sentimento não precisa de assinatura. Ele vive porque vive. É lindo só por ser.
O ritual não pode ser mais importante que o objeto em si. Partimos para o aperto de mão e tapinha nas costas. Acordos. Como se amor fosse acordo. Ele simplesmente surge. Aparece sem papel. Sem assinatura. Vive sem razão de existir. Sem carimbo de felicidade.
Quão formais somos.
Já não sabemos dizer eu te amo sem uma firma reconhecida.

Sunday, November 23, 2008

musicando a alma

vibrações alcançam meu corpo
tentando escutar na frequência a sua frequência
você é um ruído dentro do meu silêncio
meu transtorno mais maníaco
movimento sem limite
gira a minha alma
ataca meu ser
estoura meus tímpanos
oscila meus sentimentos
meu eco
minha loucura acústica só você ouve
interferência no que sou
minha intensa falta de culpa
minha fuga gritada e amplificada
sua liberdade me chama
invade meu íntimo
escancara meu âmago
seu ritmo me devora

Friday, November 14, 2008

travou tudo

Prisão de ventre cerebral. Melhor assim do que ter uma idéia de merda, ou uma diarréia verbal. Tem horas que o ideal é ter o cérebro preguiçoso.