Sunday, April 30, 2006

Silêncio


"...Deus costuma usar o silêncio para nos ensinar sobre a responsabilidade do que dizemos..."
Trecho da poesia - Deus - Fernando Pessoa
O silêncio incomoda, o barulho não. Já percebeu isso? Significado de silêncio, segundo o dicionário: "estado de quem se abstém de falar; taciturnidade (que isso?!); privação voluntária do falar; abstenção de publicar qualquer notícia ou fato; ausência de ruído; interrupção de correspondência; omissão de explicações; sossego; segredo; toque nos quartéis e conventos, depois do recolher; interj., caluda!". Dentre esses, gostei mais do : SOSSEGO.

As pessoas adoram ouvir a gente falar. Notei que gostam de ouvir mesmo as coisas mais burras e non-senses do mundo. Estranho, né? Se você opta por falar apenas quando está com vontade e apenas quando tem algo inteligente para dizer, as pessoas te olham torto. Tem um ditado (acho que é ditado) muito bom, diz assim: "É melhor ficar quieto e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota, do que abrir a boca e fazer com que elas tenham certeza". Tem gente achando o contrário, vai entender o por quê.

Somos bombardeados com informações falsas, burras e sem conteúdo todos os dias. Mas quer saber? As pessoas gostam disso. Preferem ouvir o pior, do que ouvir o melhor no tempo certo. "Dois ouvidos, uma boca" - já diziam os velhos conselhos das vovós. Não é a toa a quantidade de ouvidos.

Não dê tanto crédito para quem fala, fala e fala as 24hs do dia. As pessoas que falam 12hs por dia podem ser mais espertas. Afinal, será que 100% das palavras faladas realmente são úteis? Cuidado, tem gente falando muito por aí...

Pense o contrário. Acho um saco ter que ser igual aos outros. Sério, acho um saco mesmo. Eu sou da turma das 12hs por dia. A turma dos que falam muito acha estranho. Sabe o mais legal disso tudo? A surpresa! Adoro isso. É legal surpreender as pessoas quando ninguém está esperando ouvir você falar. E você fala, e dá certo. E sua opinião é super válida. Algo me diz (deve ser minha mente falando, porque minha boca emite poucas palavras) que falar menos, é acertar mais.
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
Desculpem essa parada no texto. Esse silêncio todo. Esse sossego no meio do nada. Achou estranho? A gente não tá acostumado com o silêncio, por isso acha estranho. É bom pra meditar, refletir, colocar as coisas no lugar. É bom também pra imaginar, observar e criar.
Falemos quando queremos, fiquemos quietos quando queremos. Escute sempre, pois assim, você vai saber o que não falar da próxima vez. Vai saber selecionar as palavras. Ser iguais aos outros, falar só por falar, é chato. O legal é surpreender.
Falem bem ou falem mal, mas por favor, falem somente o necessário.

Monday, April 03, 2006

Idéia hoje. Observação ontem.

"Eu ando pelo mundo prestando atenção em cores que eu não sei o nome...cores de Almodóvar...cores de Frida Kahlo. Passeio pelo escuro, eu presto muita atenção no que meu irmão ouve, e como uma segunda pele, um calo, uma casca, uma cápsula protetora. Eu quero chegar antes, pra sinalizar o estar de cada coisa. Filtrar seus graus. ..pela janela do quarto, pela janela do carro, pela tela, pela janela..."
Trecho da música "Esquadro" de Adriana Calcanhoto
Se a gente soubesse a importância de observar as coisas, nossa vida seria muito mais divertida e intrigante. Cada objeto veríamos como um mundo complexo. Tudo seria visto de um outro jeito: uma gota, uma borboleta, uma flor, a sujeira, a construção, as pessoas, o mundo!
Fui numa exposição esse final de semana, na Pinacoteca. Muito boa! Era sobre Renascimento e Barroco. Minha vontade era de olhar tudo com olhos apaixonados de quem vê um mundo inteiro a sua frente, e não sabe o que apreciar primeiro. Fui acompanhando um guia falando sobre os quadros. Caramba, me sentia cada vez mais curiosa a respeito das coisas que ele dizia. Arregalava os olhos tentando prestar mais atenção em cada palavra dita (como se abrindo mais os olhos, eu fosse escutar melhor). O guia deve ter se assustado.
Sabia que Barroco é propaganda? Os quadros eram feitos com objetivos de passar idéias que persuadissem as pessoas de maneira rápida. Putz! Isso é a pura propaganda! Os quadros renascentistas eram mais simétricos, tentando mostrar o ideal das coisas. No andar debaixo dessa exposição, tinha uma outra exposição (só que fotográfica), era sobre coisas "comuns": cabelos, banheiro, espelho, sapatos. O comum deixa de ser apenas um objeto e passa a ser elemento de uma história, de uma linguagem - essa idéia era o objetivo da fotógrafa. Observação.
Depois desse passeio, fomos (eu + meus pais) almoçar no Mercadão. Passear no centro é ótimo exercício de análise social. O diferente e o igual se misturam no centro. O rico e o pobre, o brega e o luxuoso, o feio e o bonito, a organização e a desorganização, a sujeira e a limpeza. O centro é contraditório em cada esquina. O centro é criativo e ao mesmo tempo tradicional. Vi um homem vendendo CD numa moto, ele adaptou a moto e colocou uma caixa de som, fala sério, isso é ou não é original?! Pra mim, todo vendedor ambulante deveria ser publicitário. Criatividade é o que não falta e persuasão também! Uns dias atrás tive uma aula de semi-ótica no farol. Um menino tentava me vender um sonho de valsa. Fiquei boba com os significados, dados por ele, para aquele simples bombom. Quantas representações o menino proporcionava ao chocolate e quantas alusões fazia com o significado de : dançar valsa. Impressionante! Quase comprei o bombom, mas fiquei com medo de ser assaltada...o centro também tem disso. Voltando ao mercadão...fomos almoçar, mas antes resolvi ir ao banheiro. Tinha fila, banheiro de mulher sempre tem fila. Lá estava eu esperando uma "casinha" ser liberada. Depois de 1 minuto esperando, mais ou menos, do nada me deparei olhando atentamente um parafuso da porta do banheiro. Vamos ser realistas, pra que alguém observa atentamente (sem piscar) o parafuso de um banheiro nojento no meio do mercadão?? Foi quando percebi que a sensação de querer observar tudo, ainda permanecia em mim. Lembra daquela sensação quando escrevi sobre a exposição na Pinacoteca? Pois é, estava tendo a mesma reação, só que agora não estava mais diante dos belos quadros do Barroco, estava diante de um simpático parafuso!
Até esse singelo parafuso pode servir de referência para se ter uma brilhante idéia. Toda observação é válida. Tudo vira idéia no futuro. A criatividade é enriquecida com as observações da vida. Ligamos os pontos e associamos as coisas, surgindo assim, uma fantástica inspiração que você tanto precisava! Isso é desenvolver sensibilidade, viramos seres sensíveis aos aspectos do viver. Observação é a base. Olha, está tudo ali na sua cara, abra o olho, arregale os olhos,VEJA. Tenha um olhar analítico, olhe com paixão.
Observação é tudo.
E como eu disse...tudo vira IDÉIA depois...